5-formas-eficazes-de-reduzir-custos-na-empresa.jpeg

5 formas eficazes de reduzir custos na empresa

Por mais complexo que seja um negócio, só existem duas maneiras pelas quais ele pode maximizar o lucro, que são aumentando as receitas ou diminuindo os custos. Em um cenário de contração econômica, como o atual, incrementar o faturamento é quase uma utopia.

O que se percebe na verdade, é que a grande maioria das empresas acaba perdendo receitas. Sendo assim, reduzir custos se torna algo inevitável em um cenário como esse. Para tanto alguns pontos devem ser observados, antes que medidas mais drásticas como corte de pessoal, ou até o fechamento do negócio sejam tomadas. Vamos a elas!

1. Evitar desperdícios

O primeiro ponto que imperativamente deve ser observado quando se fala em diminuir os gastos empresariais é o desperdício. O gasto excessivo de recursos pode acontecer em despesas muito simples, como por exemplo a energia elétrica utilizada para fins administrativos, ou em materiais de escritório. Nestes casos os gastos podem ser reduzidas simplesmente evitando o uso desnecessário de equipamentos e materiais. Em ambos, a conscientização dos funcionários é fundamental. Para tanto a atitude do gestor é fundamental, cabe a ele liderar pelo exemplo e criar este senso de urgência na sua equipe.

2. Reduzir custo com fornecedores e terceiros

As organizações precisam estar sempre atentas ao gastos dispendidos com outras empresas. Muitas vezes as condições comerciais acordadas com fornecedores podem ser revistas para beneficiar a ambas. Afinal, no médio prazo também é interessante para o fornecedor construir uma relação de confiança com um cliente seguro financeiramente e com possibilidade de crescimento, ao invés de um cliente com dificuldades financeiras.

É preciso sempre ter cuidado com essas negociações para que esta renegociação não impacte a qualidade do serviço prestado, ou mesmo na saúde financeira do contratado. Conduzindo a negociação com a devida transparência, é possível que ambos os lados encontrem um ponto confortável para manter uma relação prospera. O mesmo vale para eventuais prestadores de serviço, o alinhamento entre os envolvidos é fundamental.

3. Renegociar dívidas 

Muitas empresas, seja por dificuldade em manter as contas em dia, seja pela própria estratégia do negócio, acabam contraindo empréstimos. Quando isso acontece, os gestores precisam encontrar formas de negociar a dívida para a condição mais vantajosa. Em muitos casos as instituições financeiras dispõem de uma boa margem para renegociação, que deve ser reaproveitada. Antecipar parcelas, por exemplo, pode ser uma boa iniciativa para reduzir as despesas financeiras. É importante, claro, ter cautela para que isto não impacte os demais compromissos da empresa.

4. Analisar o Fluxo de Caixa

Outro fator importante que pode ajudar a melhorar a estrutura de gastos de uma empresa é a organização das entradas e saídas de recursos. Caso uma empresa receba de seus clientes trinta dias após fazer as vendas, mas paga seus fornecedores a vista, ela precisa financiar o pagamento daquele fornecedor com outra fonte de recurso. Em meses de baixa entrada de capital isso pode representar um valor alto a se pagar de juros. Sendo assim, recomenda-se que as empresas busquem estruturar o seu fluxo de caixa de modo a sempre conseguir prazos mais vantajosos para o pagamento, e pelo outro lado um recebimento mais rápido. Desta maneira elimina-se ou pelo menos diminui-se este custo financeiro.

5. Reduzir custos tributários 

É notório que o Brasil é um país com uma carga tributária muito elevada. O empresário brasileiro tem que pagar uma grande quantidade de impostos e contribuições, que podem ser recolhidos de formas distintas ao longo de uma cadeia produtiva. Só para o imposto de renda um negócio de pequeno porte pode recolher pelo lucro simples, lucro presumido ou lucro real. Para um negócio que tem uma margem de lucro baixa ou que eventualmente até dá prejuízo, por exemplo, seria mais inteligente utilizar o lucro real, pois se acumularia um crédito tributário quando o demonstrativo apresentasse prejuízo.

Enfim, cada gestor tem que avaliar detalhadamente os dispêndios tributários, e estudar possibilidades para reduzir o valor de contribuição. Obviamente deve-se tomar o devido cuidado para que todas estas medidas estejam dentro das normas contábeis. O mais recomendado é contar com profissionais preparados para fazê-lo.

Tem alguma boa experiência com medidas para reduzir os custos? Deixe aqui o seu comentário e contribua com outros empresários!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *